Mato Grosso

Mensagem da campanha “Quebre o ciclo” será difundida por caminhoneiros e caminhoneiras

Avatar

Publicados

em


A campanha “A vida recomeça quando a violência termina: quebre o ciclo”, lançada esta semana pelo Poder Judiciário de Mato Grosso, ganhou importantes parceiros que ajudarão a difundir a mensagem de que a Justiça estadual está ao lado das mulher vítimas de violência doméstica: os caminhoneiros e caminhoneiras que trafegam pelas estradas do Brasil. Isso será possível graças à parceria firmada com a Associação dos Transportadores de Cargas de Mato Grosso (ATC) e com o Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Rondonópolis e Região (SETCARR).
 
Segundo Miguel Antônio Mendes, diretor-executivo das duas entidades patronais, além do patrocínio de dois outdoors com a mensagem da campanha em Rondonópolis (219km a sudeste de Cuiabá), os profissionais poderão ter o veículo adesivado para levar a mensagem da campanha, servindo como uma espécie de ‘outdoor’ sobre rodas. Ele explica que o contato inicial foi feito pela Polícia Rodoviária Federal, outra parceira do Judiciário. “Eles acharam importante a nossa participação para a divulgação da campanha”, explica.
 
Conforme o diretor-executivo, todo o material produzido pelo Poder Judiciário, como as notícias do site e vídeos que já começaram a ser veiculados, estão sendo distribuídos nos grupos de WhatsApp dos associados, para que essa mensagem seja compartilhada com os caminhoneiros e caminhoneiras. “Nosso intuito é que homens e mulheres tomem consciência do problema, que muitas vezes ele está praticando sem perceber. Às vezes acha que é um comportamento normal. A partir do momento em que toma consciência de que está praticando violência doméstica contra a esposa, que essa evolução do ciclo regrida e não volte a acontecer.”
 
Para Miguel Mendes, a campanha “Quebre o ciclo” tem papel fundamental para a sociedade. “É de uma importância sem tamanho. Hoje o que temos de muito valor é a informação. Todos esses assuntos que estão sendo divulgados vão servir para que essa mulher vítima de violência tome consciência de que esse relacionamento que vive não é saudável, evitando que possa evoluir para algo ainda mais grave. Espero que desperte a consciência do casal, que promova o diálogo e a mensagem que eles devem ser respeitar, acima de tudo”, afirmou.
 
O diretor-executivo enalteceu a iniciativa do Judiciário mato-grossense, de encabeçar a campanha e levar informações para muitas mulheres que sofrem caladas, sem saber como reagir. “É importante que esse assunto venha à tona. Já divulgamos os primeiros materiais e até recebemos o áudio de uma pessoa que se emocionou. Acreditamos que o objetivo maior vai ser atingido: levar informação, para que haja diminuição desses índices de violência”, finalizou o parceiro.
 
É importante destacar que as empresas e instituições que apoiarem a campanha “Quebre o ciclo” receberão do Poder Judiciário Estadual um certificado com o “Selo Amigo da Mulher”. Além da ATC e do SETCARR, também já confirmaram apoio à iniciativa a empresa Rota D’Oeste, o Instituto Farmun e a empresa Rumo.
 
Confira abaixo as primeiras matérias e vídeos sobre a série especial:
 
 
 
 
 
 
 
Lígia Saito
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Comentários Facebook
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso

CNJ promove seminário on-line Pacto Nacional pela Primeira Infância

Avatar

Publicados

em


 
Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realiza nos dias 15 e 16 de abril de 2021 (quinta e sexta-feira) a edição Nordeste do Seminário do Pacto Nacional pela Primeira Infância, em formato on-line. Na oportunidade, será firmada a adesão dos atores da região Nordeste ao Pacto Nacional pela Primeira Infância e demais que não tiveram ainda aderido das regiões onde já ocorreu o seminário.
 
A coordenadora do Pacto Nacional pela Primeira Infância, juíza auxiliar da Presidência do CNJ, Trícia Navarro Xavier Cabral, enviou ofício convidando o Tribunal de Justiça de Mato Grosso a aderir e participar do evento, em especial, para a solenidade de assinatura do Pacto Nacional pela Primeira Infância, que irá ocorrer das 9h às 10h (horário Brasília), no dia 15 de abril de 2021, por meio da plataforma Cisco Webex.
 
A ação integra o projeto “Justiça Começa na Infância: fortalecendo a atuação do sistema de justiça na promoção de direitos para o desenvolvimento humano integral” e as inscrições para devem ser realizadas até o dia 15 de abril, por meio do link https://eventos.cnj.jus.br/inscricao-seminario-do-pacto-nacional-pela-primeira-infancia-regiaonordeste. Na página consta a programação do evento.
 
O evento destina-se a magistrados, procuradores, promotores, defensores públicos, advogados, equipes psicossociais-jurídicas, parlamentares e servidores dos Poderes Executivo e Legislativo, profissionais do Sistema de Garantia de Direitos e da sociedade civil da Região Nordeste – Conselhos Tutelares, Conselhos de Direito da Criança e do Adolescente, servidores das unidades de Direitos Humanos, Desenvolvimento Social, Cultura, Esporte, Saúde, Educação, Segurança Pública, empresários, entre outros.
 
O seminário virtual será transmitido pelo Canal do YouTube do CNJ, com possibilidade de participação de 10 mil participantes de todo país.
 
Para informações adicionais, fica à disposição a Secretaria Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, pelo telefone (61) 2326-4761ou pelo e-mail l: [email protected]
 
Veja AQUI o vídeo desta matéria.
 
Alcione dos Anjos
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Mesmo na pandemia, Judiciário de MT incentiva projetos de ressocialização em Sinop

Avatar

Publicados

em


A oportunidade de começar de novo uma história de vida diferente é realidade para reeducandos do sistema prisional no município de Sinop (a 500km de Cuiabá) e que participam dos projetos apoiados pelo Poder Judiciário mato-grossense. Na Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Leite Ferreira há três projetos de ressocialização em destaque, que mesmo durante a pandemia estão proporcionando chances de mudanças entre os reeducandos.
 
Os projetos são desenvolvidos em parceria com a Prefeitura e o Conselho da Comunidade. O juiz de execução penal e corregedor do presídio, João Manoel Pereira Guerra, que há alguns anos desenvolve ações de ressocialização junto à unidade prisional ressaltou a importância dos projetos sociais e lembrou que as ações são importantes, também para segurança pública da cidade. “É uma satisfação muito grande poder falar sobre esses projetos, pois lidamos com pessoas que precisam de oportunidades, mudança de vida e retorno ao convívio social. Essas ações têm crescido e se desenvolvido e têm sido muito úteis para o próprio município de Sinop, com relação à mão de obra que está sendo empregada quer seja do regime semiaberto, como do regime fechado”, destacou João Guerra.
 
A ideia central dos projetos, conforme explicou o magistrado, é garantir trabalho e oportunidade de reinserção dos presos, por meio de atividades que os mantenham ocupados, melhorando sua autoestima e resgatando sua dignidade.
 
Para o diretor executivo do Conselho da Comunidade, Jose Magalhães Pinheiro, a parceria do Judiciário é essencial para a manutenção dessas iniciativas. “O Judiciário é nosso baluarte e nos auxilia no cumprimento da nossa missão: Incentivar e fomentar ações e projetos que visem a ressocialização. Pois os projetos, tem papel fundamental na reinserção dessas pessoas na sociedade. Além de ocupar o tempo ocioso dos reeducandos, contribui para a qualificação e humanização destes através do trabalho, evitando assim a reincidência ao mundo da criminalidade”, disse o diretor.
 
Projeto Semear – Criado em março de 2017 no entorno da penitenciaria de Sinop, com área aproximada de 18.500 m². O projeto utiliza da mão de obra de reeducandos do regime fechado no plantio e cultivo de hortifrúti. “Ter uma atividade aqui dentro é essencial para não cairmos na ociosidade. Levanto cedo e já tenho algo para manter meu corpo e minha mentes ocupados. Lá plantamos diversas espécies como abacaxi, abobrinha, quiabo e além de servir para o consumo interno, também é vendido na feira da cidade”, disse o custodiado Lourival Batista Ramos que ainda precisa cumprir 1 ano e 7 meses de pena.
 
Projeto de corte e costura “Revida – Resgatando Vidas” – está instalado no interior da Unidade Penal em uma sala de aproximadamente 60 m². O projeto atende cerca de 20 reeducandos, que foram capacitados para exercerem atividades de corte e costura. “Penso em sair daqui e montar um atelier para minha família poder me ajudar. O trabalho ocupa nosso tempo e nos dá norte para cumprir a pena”, ponderou Siberley Walter Aguiar que ainda precisa cumprir 3 anos e 7 meses de pena privativa de liberdade.
 
Projeto Sinop Bola Oficial – O trabalho é desenvolvido internamente por 22 reeducandos e está instalado em uma das alas do Presídio Ferrugem, com produção estimada em cerca de 200 bolas por semana. No projeto são produzidas bolas oficiais personalizadas de futebol de campo, futsal, voley, rugby e handebol, além de fabricação de sacos de pancada, redes esportivas e de proteção (sacadas, janelas e piscinas), sendo que estas ultimas são fabricadas sob encomenda.
 
Veja AQUI o vídeo desta matéria.
 
Ulisses Lalio
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
 
 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Parceria entre Justiça Comunitária e Sesc Pantanal ameniza sofrimento de famílias carentes

Avatar

Publicados

em


 A expressão “Juntos somos mais fortes” nunca fez tanto sentindo. Isto porque o Poder Judiciário de Mato Grosso (PJMT), por meio do Programa Justiça Comunitária, levou à sério esta máxima, unindo-se ao Sesc Pantanal e ao Governo do Estado para para melhor as vidas de milhares de família ribeirinhas. Para isso, entre os dias 01 a 10 de abril de 2021, a iniciativa levou cestas básicas e outras doações a mais de 170 famílias carentes e que vivem em comunidades de difícil acesso, tais quais Pirigara, Boca Moquem, Piraim, Limoeiro, entre outras, da região de Barão de Melgaço e Poconé.
 
Conforme relata o juiz coordenador da Justiça Comunitária, José Antônio Bezerra Filho, mais conhecido como Dr. Toni, ao todo, foram doadas 170 cestas básicas, 170 kits de higiene, brinquedos, roupas e frangos e salsichas congeladas. Na ocasião, também foram oferecidas orientações jurídicas gratuitas à população pela equipe da Justiça Comunitária.
 
“Podemos dizer que a nossa missão está cumprida, quando se trata de atender as comunidades mais isoladas e impactadas pela pandemia, nesta região de MT. Quero primeiramente agradecer à presidente do PJMT, desembargadora Maria Helena Póvoas, por todo apoio, e também ao Governo Estadual e ao Sesc Pantanal, que acreditaram no projeto e foram grandes parceiros. Fizemos cidadania e realizamos ações que efetivamente ajudam as pessoas mais necessitadas. Com a graça de Deus, conseguimos cumprir esta missão. Mas, sabendo que as necessidades aqui são muitas e que deveremos voltar futuramente com novas ações”, avisa o magistrado.
 
Comunidade – Aos 76 anos, o pescador Leandro Ribeiro da Silva, morador da comunidade Piraim, conta que o sustento da família ficou muito comprometido com a chegada da pandemia. “A situação está muito difícil. Fico muito melhor agora que vocês chegaram com essas coisa todas. Agradeço muito!”, desabafa.
 
Morador da comunidade do Piraim, o ribeirinho João de Arruda concorda e garante que as doações chegaram em uma boa hora. “Sem dúvida estas coisas chegaram numa hora boa. A renda da gente diminuiu, porque ficou ruim para pegar peixe. E a pandemia deixou tudo ainda mais dificultoso. Sem esta ajuda, nem sei como a gente ia fazer pra comer”, compartilha.
 
Parceria – Paulo Sérgio Vicente, subgerente da unidade do Sesc Poconé, que faz parte do Polo Socioambiental do Sesc Pantanal, conta que o Sesc já atua em ações sociais voltadas para cidadania, esporte, lazer, cultura e educação na região. “Temos realizados diversas ações para amenizar o sofrimento das famílias menos favorecidas, durante a pandemia da covid-19. No caso da comunidade do Perigara, o Sesc contribuiu com a entrega de 60 cestas básicas; com a oferta de embarcações e combustível para levar as doações às comunidades que estão a cerca de 5 horas de barco da região de Porto Cercado; e com a doação de frangos e salsichas congeladas”, destacou Paulo.
 
O subgerente do Sesc Pantanal também faz uma observação acerca do agravamento da pobreza nesses locais. “Essas famílias vivem somente da pesca. E como há uma escassez de peixe no momento, a vida delas fica ainda mais sofrida. Por isso, temos certeza que as doações chegaram em um ótimo momento. O Sesc agradece ao convite de parceira feito pela Justiça Comunitária e está sempre à disposição para realizar ações que ajudem os menos favorecidos”, garante Paulo.
 
Continuidade – De acordo com a gerente do Programa Justiça Comunitária, Tatiane Guerra, embora esta seja a última ação da temporada em parceria com o Sesc Pantanal, já há outras doações agendadas. “Vamos continuar distribuindo o que restou das 3.000 cestas básicas doadas pelo Governo do Estado, para reduzir as dificuldade das famílias ribeirinhas. O nosso compromisso é levar ajuda aos locais onde ninguém mais vai ajudar. Locais de difícil acesso e onde as pessoas são mais carentes”, explica.
 
Contato – Para solicitar que sua região também seja atendida, entre em contato com a equipe do Programa Justiça Comunitária pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (65) 9287-4384.
 
Mariana Vianna
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
 

Comentários Facebook
Continue lendo

Política

Polícia

GERAL

Mais Lidas da Semana