Geral

Imagens exclusivas revelam novos detalhes sobre caso João Alberto

Publicados

em

Imagens obtidas com exclusividade pela Record TV mostram novos detalhes das agressões a João Alberto Freitas, cliente negro espancado até a morte por seguranças brancos em um supermercado de Porto Alegre (RS).

As cenas mostram que um dos agressores sugerindo que a vítima estaria drogada. Nos registros inéditos, é possível ver a agressão por outro ângulo. Quando João Alberto, inconsciente, está caído no chão, após ser agredido, um dos seguranças tenta se explicar às testemunhas. “Mas se ele está drogado é pior ainda”, diz um segurança. “Ele não está drogado”, responde uma testemunha.

 

Em um outro vídeo, uma mulher conta o que os seguranças disseram ao pai de João Alberto. “O pai dele perguntou e falaram assim que ele estava alterado. Eles alegaram que ele estava alterado”, conta uma testemunha.

 

Também é possível perceber o momento em que uma outra cliente alerta que João Alberto estava ficando com a boca roxa durante o espancamento. “Logo no início, quando ele começou a entrar em falência, eu falei: ele está ficando com a boca roxa e ninguém deu bola. Continuaram dois em cima dele”, afirma um cliente.

 

A Record TV teve acesso aos depoimentos prestados à polícia. Há contradições nos relatos de duas funcionárias do supermercado.

 

Uma fiscal disse à polícia que não conhecia João Alberto e que ele parecia furioso ao encarar ela e os seguranças. A funcionária do supermercado ainda disse que ele ameaçou empurrá-los, mas que conseguiram se esquivar.

 

Isso teria ocorrido antes de João Alberto ser levado ao estacionamento. O circuito interno, no entanto, não mostra isso. João Alberto parece caminhar tranquilamente e agride o segurança só quando chega ao subsolo.

 

A agente de fiscalização do supermercado – que aparece em dos vídeos – também foi ouvida e também apresentou contradições.

 

Ela relatou que a colega, que disse desconhecer João Alberto, disse a ela que ele havia tido atrito com outros funcionários em outras ocasiões e que, desta vez, João Alberto teria empurrado uma senhora. Ela também afirmou que ligou para a polícia militar e para o samu, e que pediu aos rapazes para que largassem João Alberto.

 

Mais uma vez não é o que aparece nos vídeos. As imagens mostram a fiscal repreendendo um colega. “Não faz isso que eu vou te queimar na loja”, afirma. Ao que o funcionário responde: “Eu trabalho aqui na loja. isso daí não pode.”

 

Inquérito
A polícia civil espera concluir o inquérito sobre a morte de João Alberto até sexta-feira (27). Além do homicídio doloso – quando há intenção de matar – a polícia investiga se foram cometidos outros crimes. Os seguranças, Magno Braz Borges e giovane gaspar da silva, estão presos preventivamente.

 

O advogado de Giovane disse que o cliente não conhecia João Alberto e negou que a causa da morte tenham sido as agressões. “Ele foi conter uma situação, chamado pelo rádio porque havia um senhor que estava iniciando um conflito com uma funcionária”, disse o defensor.

 

 

 

*FONTE:GAZETA DIGITAL

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Prevenção Coronavírus

Publicados

em

Continue lendo

Geral

Terezinha de Souza Diretora do Sanear é executada em Rondonópolis

Publicados

em

Na manhã desta sexta-feira 15, por volta das 7h30, a diretora diretora geral do Serviço de Saneamento Básico de Rondonópolis, foi alvejada por 4 tiros.

Uma moto teria parado ao lado do veículo , de onde os tiros foram disparados.

Três disparos atingiram a cabeça. Ela foi encaminhada ao Hospital, porém não resistiu.

 

*FONTE:Marreta Urgente 

Continue lendo

Geral

Emanuel anuncia que vacinação contra Covid em Cuiabá começa na quarta-feira

Publicados

em

Primeiramente, segundo Emanuel, serão imunizadas 125 mil pessoas dos grupos prioritários. “Inicialmente, será apenas os profissionais de saúde e grupo de risco, como os idosos acima de 60 anos, cadeirantes, pessoas com dificuldades de locomoção, entre outros”, disse o prefeito em entrevista à TV Centro América.

Emanuel disse que Cuiabá já tem um plano de vacinação elaborado, restando pequenos detalhes que seguirão as orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ministério da Saúde. No Brasil, serão distribuídas, a partir da próxima semana, 8 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

Serão 6 milhões do Instituto Butantan – a Coronavac – e outras 2 milhões que estão chegando da Índia, desenvolvida pelo Laboratório Astrazeneca. “O ministro já deixou claro que essa data só será alterada se não houver liberação por parte da Anvisa, mas nós estamos nos preparando para começar a vacinar esses grupos prioritários”, garantiu.

De acordo com o planejamento, a imunização será feita de forma estratégica em pólos específicos da capital. Além disso, a prefeitura pretende utilizar a estrutura do Programa de Assistência Médica e Odontológica Rural (AMOR) para fazer com que a vacina chegue até a residência de pessoas com dificuldade de locomoção ou em regiões afastadas. 

“Nós já estamos planejando colocar uma central de distribuição em cada região da cidade para descentralizar o atendimento. Nós também vamos fazer a imunização por agendamento pelo Conect SUS e também utilizaremos a estrutura do programa AMOR para chegar até aquelas pessoas que possuem dificuldade de locomoção”, explicou.

Por fim, Emanuel esclareceu que o restante da população deve ser imunizada a medida que outros lotes das vacinas contra a Covid forem sendo adquiridos pelo Ministério da Saúde, órgão responsável por comprar e fazer a distribuição dos imunizantes. “A expectativa é que chegue 6 milhões de doses e para março e abril 40 milhões de doses. A partir daí, o Brasil já terá o calendário fechado para poder imunizar a todos”, concluiu.

 

 

*FONTE:Folha Max

 

Continue lendo

Política

Polícia

GERAL

Mais Lidas da Semana