fbpx

Geral

Estresse Financeiro

Publicados

em

Um peregrino estava a caminho das montanhas do Himalaia, no cortante frio do inverno, quando começou a chover. Perguntaram-lhe como chegaria lá com aquele temporal. A resposta veio firme: – Meu coração chegou lá primeiro… Desse modo é fácil para o resto de mim segui-lo.
O estresse financeiro começa já na primeira infância e como não temos instruções na escola sobre o uso do dinheiro, já internalizamos posturas desacertadas desde cedo. Aprendemos em casa que com o dinheiro podemos “tudo”, já que toda vez que necessitamos de algo, seja uma mamadeira nova ou um brinquedo, nos é informado que depende dele. Assim é que o coração aprende a valorizar em excesso o dinheiro e a cabeça com o corpo todo segue esse caminho.

Ao avançar a idade, começamos a nos comparar com os colegas da escola. Por que ele tem isso ou aquilo e eu não? Ou por que eu tenho e ele não? Naquela turma quem não tem o tênis da marca tal, não entra. Na outra somente as patricinhas que possuem o celular chique Separamo-nos dos amigos mais íntimos pelas divisas financeiras. Estudar na casa do colega endinheirado nos constrange ou na “casela” pobre do outro também. Já não podemos fazer os mesmos passeios, nos mesmos lugares. Se o outro tem muito, não consigo acompanhar, se tem pouco, não aceita que eu pague todas as despesas dele. Se for convidado para o aniversário de 15 anos da amiga e não tem como comprar ou alugar a roupa social, está fora. Se tiver, vai sem o amigo que não tem. As cidades não oferecem opções aos jovens sem que tenham de gastar com deslocamentos e guloseimas. Aonde ir sem dinheiro?

O mercado de trabalho oferece três opções, para quem tem e para quem não tem. Se for trabalhar como empregado, depende da roupa, dos estudos e da capacidade de impressionar. O estresse financeiro dos empregados é percebido quando recebem o holerite. Ficam assustados como se tivessem visto um fantasma. E já que não existe o hábito de acompanhar o orçamento doméstico, quase sempre vem menos que
o esperado. Gasta mais que ganha, não importa o nível salarial. Se for autônomo, depende se tem, para mostrar o valor dos serviços. Ninguém acredita no seu potencial se seu consultório ou escritório está caindo aos pedaços. Então vale acreditar que ganha dinheiro, quem tem dinheiro. Se abrir negócio próprio, lá vem o estresse financeiro diário. Confundem lucro com caixa, balanço com demonstrativo de resultados e dinheiro no banco como capital de giro. A confusão se instala, as emoções degringolam e está instalado o estresse financeiro. O estresse financeiro deixa as paredes da empresa e alcança o lar pelas emoções inseparáveis que o sócio carrega. E é aí que começa novamente a “instrução” financeira aos filhos. Não pode isso, não pode aquilo, porque não tem dinheiro.

Salve você mesmo e os seus filhos do estresse financeiro, eduque-se financeiramente e ensine-os desde a primeira infância que dinheiro é um meio, um instrumento que se bem usado cresce. Apresente às crianças a visão acertada de poupar, investir. Diga que dinheiro poupado é dinheiro com fermento, leveda todas as esperanças. Pense nisso, mas pense agora!

Saulo Gouveia é consultor financeiro e organizacional e atua oferecendo novos
significados para viver as virtudes em abundância. Articulista de A Gazeta,
escreve neste espaço aos domingos. [email protected]

Comentários Facebook
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Policiais Penais em conjunto com entidades sociais realizam doação de cestas básicas para Quilombolas

Publicados

em

Em meio disseminação de ideologias contrárias a realidade dos servidores da Segurança pública, as policias Penais, Jemima Camargo e Ivanilda Sabino, buscam realizar um trabalho de integração, entre a segurança pública e entidades sociais que lutam e trabalham para garantir que o negro seja tratado com respeito. Jemima explica que desde o inicio da pandemia vem realizando essas campanhas de levar para as comunidades a mensagem de que a policia não é inimigo e para isso tem mobilizado colegas de profissão para participar das ações sociais.

Uma dessas ações beneficiaram a comunidade dos Quilombolas, Mata Cavalo no município de Livramento nesta terça-feira (03), onde as policiais, durante entrega das destas , encontraram seu Vicente, ex-guerrilheiro da Segunda Guerra Mundial um dos homens mais velhos do estado de Mato Grosso 112 anos.

“Conhecemos a história de seu Vicente, um senhor de 112 anos, muito lúcido pela idade e dificuldades que já passou durante toda vida. A expressão do povo negro e fiquei emocionada ao ouvir ele dizer que apenas gostaria de ser reconhecido como ex-combatente, reconhecido pelo trabalho que fez durante a guerra mundial defendendo nosso país “, disse Jemima.

A ação teve a participação do Movimento Negro Unificado (MNU), Frente Favela Brasil e Frente Anti Racista, que proporcionou ao todo 40 cestas básicas para a comunidade Água Sul de Cima.
A representante da MNU, Isabel Farias, disse que a instituição realiza um trabalho de luta e preconceito contra o negro junto as comunidades e também as ações sociais como esta que foi desenvolvida em parceria com a as policiais.

A Presidente da comunidade Água Sul, Berenice Lemes, salientou que a ação foi muito importante para a comunidade, “Muitas famílias foram beneficiadas e as doações irá suprir a carência da alimentação. Sobre o trabalho de integração proposto pelas policias de grande valia, ótima ação que vai trazer uma nova visão sobre a categoria”, disse.

Sensibilizadas pela situação social do seu Vicente, o desejo de ser reconhecido como ex-combatete, pelo trabalho que ele fez durante a guerra mundial, as policiais penais entraram em contato com o deputado João Batista (PROS) que é policial penal também é presidente da Comissão de Segurança Pública do estado de Mato Grosso, contaram a situação, e o deputado se prontificou em apresentar na comissão de segurança pública a situação para que este ex-combatente ainda vivo possa ser reconhecido pelo seu trabalho.

Comentários Facebook
Continue lendo

Geral

Justiça Federal dá prazo para Cuiabá suspender contratos com empresas investigadas em operação

Publicados

em

A Prefeitura de Cuiabá terá que suspender todos os contratos administrativos firmados entre a Secretaria Municipal de Saúde e a Empresa Cuiabana de Saúde Pública com cinco empresas investigadas na “Operação Curare”, deflagrada na última sexta-feira (30), com o objetivo de desarticular uma organização criminosa investigada pelo envolvimento em fraudes nas contratações emergenciais para combate ao novo coronavírus (Covid-19) e recebimento de recursos públicos a título “indenizatório”, sem licitação.

Conforme decisão do juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara Federal de Mato Grosso, a suspensão dos contratos, bem como de pagamentos a título de indenização, deve ser feita em relação às empresas Hipermed Serviços Médicos e Hospitalares S.A, Ultramed – Serviços Médicos Hospitalares Ltda, Smallmed Serviços Médicos e Hospitalares Eireli, Medserv – Serviços Médicos e Hospitalares Ltda, e Douglas Castro – ME.

“É um prazo razoável para que nesse tempo a Administração Pública Municipal adote todas as medidas administrativas para realizar novas contratações, indenes de ilegalidade com as registradas nessa decisão, para posterior e imediata suspensão dos contratos tidos por ilegais”, decidiu o magistrado.

Conforme investigações, os pagamentos realizados pela Empresa Cuiabana de Saúde Pública à organização criminosa superam R$ 100 milhões, entre os anos de 2019 a 2021. A operação resultou no afastamento dos secretários de Saúde, Célio Rodrigues e o   interino de Gestão e ex-diretor da Empresa Cuiabana de Saúde Pública, Alexandre Beloto Magalhães de Andrade.

Outras pessoas físicas e jurídicas também são alvos de investigação. Confira:

Luiz Antônio Possas de Carvalho (ex-secretário de Saúde)

Felipe de Medeiros Costa Franco (diretor clínico da ECSP),

Antônio Kato (servidora da ECSP e ex-chefe da Casa Civil da gestão Blairo Maggi)

Mhayanne Escobar Bueno Beltrão Cabra (servidora da ECSP)

Hellen Cristina da Silva (coordenadora administrativa da Secretaria Municipal de Saúde)

Douglas Castro – Empresa contratada por dispensa de licitação por R$ 4 mi para aluguel de leitos de UTI Empresa Cuiabana de Saúde Pública

Hipermed Serviços Médicos e Hospitalares – Empresa contratada por dispensa de licitação por R$ 1 milhão para prestar serviços médicos nas enfermarias do HMC, em 2019

 Ultramed – Serviços Médicos e Hospitalares – Empresa que tem como sócio Felipe de Medeiros Costa Franco, que faz parte da diretoria da Empresa Cuiabana de Saúde Pública

 Ibrasc – Instituto Brasileiro Santa Catarina

 Luiz Antônio Possas de Carvalho – Ex-secretário municipal de saúde

 LV Serviços Médicos e Hospitalares

 Maicon dos Santos – Sócio da Hipermed

Marcelo Pereira da Silva

Smallmed Serviços Médicos e Hospitalares – Empresa que “pegou” os serviços da Ultramed

Mhayanne Escobar Bueno Beltrão Cabral – Membro da comissão permanente de licitações da Empresa Cuiabana de Saúde Pública

Comentários Facebook
Continue lendo

Geral

MT define distribuição de 111 mil doses de vacinas Coronavac e Pfizer

Publicados

em

A Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT) aprovou a Resolução Nº 77, que estabelece a distribuição, o armazenamento e a aplicação das 111.240 doses de vacina contra a Covid-19 enviadas neste fim de semana pelo Ministério da Saúde, sendo 50.400 doses da Coronavac e 60.840 doses da Pfizer.

Conforme a Resolução Nº 77, a vacina da Pfizer deve ser aplicada como primeira dose em pessoas entre 40 e 49 anos. As doses da Coronavac contemplarão com a primeira e segunda dose pessoas de 40 a 44 anos.

O prazo de aplicação da segunda dose da Pfizer é de até 12 semanas. Já o prazo da segunda dose da Coronavac varia entre 14 e 28 dias.

O colegiado pontuou na Resolução que os municípios que já completaram a vacinação das pessoas de 40 a 49 anos devem seguir para a próxima faixa etária (ano a ano) em ordem decrescente de prioridade.

Ainda foi acordado o armazenamento de 18 doses da Pfizer na Rede de Frio Estadual, como novo estoque estratégico para reposição de eventuais perdas técnicas. Também foi pactuada a distribuição de um remanescente de 40 doses da Coronavac que estavam armazenadas na Rede de Frio Estadual como estoque estratégico.

Caso os municípios alcancem a completa vacinação dos públicos-alvo estabelecidos para a imunização, a CIB orienta a continuidade da imunização dos demais públicos elencados pelo Ministério da Saúde.

Após a distribuição dos imunizantes aos municípios, as vacinas deverão ser armazenadas conforme as condições estabelecidas pela fabricante e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e com o apoio da segurança pública.

A aplicação das doses deve ser obrigatoriamente registrada pelos municípios no Sistema Nacional do Programa de Imunização (SI-PNI), do Ministério da Saúde. Até o momento, Mato Grosso já recebeu 2.730.710 doses de imunizantes contra a Covid-19.

Confira em anexo a resolução:

Resolução CIB N° 77

Comentários Facebook
Continue lendo

Política

Polícia

GERAL

Mais Lidas da Semana