conecte-se conosco



Política MT

DESCASO COM DINHEIRO PÚBLICO

Publicado

Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
Foto e arquivos de imagem
 
 
 
Arquivos de Áudio e Vídeo
 
 
 
Outros tipos de arquivos
 
 
 
  Se inscrever  
Notificação de

Política MT

Jantar de Mendes

Publicado

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) ironizou o fato de não ter sido convidado para o jantar oferecido pelo governador Mauro Mendes (DEM) e pela primeira-dama do Estado, Virginia Mendes, aos prefeitos e primeiras-damas dos 141 municípios do Estado.

 

O encontro será realizado no próximo dia 18, mesma data em que Emanuel inaugura o Hospital Municipal de Cuiabá (HMC). Nos bastidores, os comentários são de que o Governo estaria tentando “esvaziar” a solenidade comandada pelo emedebista.

 

“Engraçado, é um jantar oferecido a todos os prefeitos do Estado, mas eu não recebi nenhum convite”, disse Emanuel.

 

Desde a campanha eleitoral, os dois vêm trocando farpas pela imprensa e as brigas se intensificaram nos últimos meses. Recentemente, o governador chegou, inclusive, a ironizar a inauguração do hospital, e disse que não comparecerá ao evento.

 

fonte: MidiaNews

 

Leia mais:  Deputados aprovam proposta do MPE
Continue lendo

Política MT

Lúdio propõe emendas para impedir governo de tirar direitos da pessoa com deficiência

Publicado

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) apresentou emendas para impedir o governo estadual de tirar o direito das pessoas com deficiência a isenção de impostos. O Projeto de Lei 979/2019, de autoria do governo, prevê que a pessoa teria que comprovar hipossuficiência, ou seja, teria que comprovar que é pobre, para poder ter acesso ao direito de não pagar Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

“Esse projeto tem um submarino que penaliza as pessoas com deficiência. O governo usou como cortina de fumaça o parcelamento dos débitos de IPVA mas, na prática, propôs o fim da isenção de IPVA para pessoas com deficiência. O governo quer exigir uma espécie de atestado de pobreza das pessoas com deficiência para que tenham isenção de IPVA”, explicou Lúdio.

O deputado lembrou que, atualmente, para ter direito à isenção, a pessoa com deficiência já passa por uma perícia feita por uma junta médica. “Além de toda essa burocracia, o governador ainda quer que ela apresente um atestado de pobreza. A pessoa teria que se submeter a uma humilhação para ter a isenção. O trabalhador com deficiência vai se esforçar para adquirir um veículo e depois terá que comprovar que não tem capacidade financeira. É uma incoerência”, afirmou Lúdio.

Leia mais:  Programa Palavra Literária estreia neste sábado na TV Assembleia
As emendas de Lúdio retiram do projeto o critério de hipossuficiência. Lúdio propôs também manter em dois anos o período para que a pessoa com deficiência possa comprar outro carro com isenção de ICMS. Pelo projeto, esse prazo subiria para quatro anos. Lúdio apresentou também emendas para restringir o projeto ao parcelamento de débitos relacionados a veículos, impedindo que o governador abra brechas para parcelar outros tipos de dívida sem lei específica, como ICMS, Fethab e outros fundos.

O projeto do governo já foi aprovado em 1ª votação e recebeu parecer favorável na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mesmo com o voto contrário de Lúdio. O projeto ainda passará pela 2ª votação em plenário.

Assessoria de Imprensa

Continue lendo

Política MT

Promotor sugere que esquema de grampos elegeu Taques em 2014

Publicado

O promotor de Justiça, Allan Sidney Ó Souza disse durante sustentação oral no julgamento dos cinco policiais militares, na tarde desta quarta-feira (06), que o governador Pedro Taques (PSDB) perdeu as eleições do ano passado porque não tinha mais apoio do escritório de arapongagem, que ficou conhecido como Grampolândia Pantaneira.

O promotor declara que em 2014 Taques foi eleito no primeiro turno e em 2018 ficou em terceiro lugar na disputa.

“Não descarto a possibilidade do ex-governador Pedro Taques ter sido governador por esse espúrio escritório clandestino”.

“Não descarto a possibilidade do ex-governador Pedro Taques ter sido governador por esse espúrio escritório clandestino”.

O nome de Taques foi envolvido no esquema depois que os coronéis Zaqueu Barbosa, ex-comandante-geral da PM, Evandro Lesco, ex-secretário da Casa Militar, reafirmaram, durante acareação, os depoimentos anteriores em que apontam envolvimento direto do ex-governador no esquema de escutas clandestinas.

À Polícia Civil, na última segunda-feira (04), Zaqueu e Lesco, denunciaram que partiu do ex-governador a ordem para destruir provas que confirmavam o funcionamento do escritório clandestino em Cuiabá. Tal escritório, segundo depoimento, era gerenciado por agentes da Secretaria de Segurança Pública.

Leia mais:  Deputado cobra pontos de apoio a caminhoneiros em rodovias pedagiadas

A defesa de Pedro Taques, o advogado Emanuel Figueiredo pediu acesso aos depoimentos para que pudesse se manifestar sobre o fato. Figueiredo, inclusive, acompanha o julgamento dos policiais.

São julgados na Justiça militar, além dos coronéis Zaqueu e Lesco, o coronel Ronelson Jorge de Barros, tenente-coronel Januário Antonio Edwiges Batista e o cabo Gerson Correa Júnior.

Escutas ilegais

As investigações que levaram à prisão de oficiais de alta patente da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso apontaram um grandioso esquema de escutas ilegais que teria interceptado mais de 800 conversas de políticos, advogados jornalistas e desafetos.

Conforme apurado, os telefones foram grampeados com autorização da Justiça por meio de uma técnica denominada “barriga de aluguel”, que é quando não investigados são inclusos em uma lista de pedidos de interceptação autorizada por magistrados.

 

Fonte: ReporterMT

Continue lendo

Política MT

Polícia

Mato Grosso

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana