Política Nacional

RJ: ex-governador Cabral é condenado a mais 11 anos de prisão

Publicados

em

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi condenado a mais 11 anos e 3 meses de prisão. A sentença foi divulgada nesta terça-feira (12), assinada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. A condenação se deu dentro da Operação C’est Fini, um desdobramento da Operação Lava Jato. Ao todo, Cabral já recebeu mais de 300 anos de pena, se somadas todas as condenações.

Ele foi condenado pelo envolvimento no recebimento de propina na Fundação Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (Funderj), no valor total de R$ 18,1 milhões, pagos por empresas que contratavam obras com o órgão.

Também foram condenados, no mesmo processo, Wilson Carlos da Silva, a 14 anos e 2 meses de prisão, Luiz Carlos Bezerra, a 7 anos e 9 meses, Henrique Alberto Santos Ribeiro, a 20 anos e 9 meses, e Lineu Castilho Martins, a 16 anos e 6 meses de prisão.

Procurado, o advogado Márcio Delambert, que defende Cabral, se pronunciou em nota: “A sentença reconheceu a condição do ex-governador como colaborador da Justiça, mas a defesa vai recorrer pois não concorda com as penas aplicadas”.

 

 

*FONTE:Correio Braziliense 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Faid agradece convite do PROS, mas diz que ele e Emanuel ficam no MDB

O convite foi feito pelo vice-presidente estadual do Pros, Carlos Frederick, depois de Gisela simona ter sido convidada a integrar as fileiras do MDB

Publicados

em

Da Redação

O Partido Republicano da Ordem Social (Pros), presidido em Mato Grosso pelo deputado estadual João Batista, resolveu retribuir a gentileza do MDB, que convidou a advogada Gisela Simona à deixar o Pros e integrar suas fileiras. Nesta quarta-feira (27), convidou o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), uma das lideranças emedebistas, para mudar de time. A sigla estendeu o convite para o ex-presidente do diretório municipal, Francisco Faid. Ambos declinaram.

“Ficamos muitos honrados pelo convite, muito satisfeitos. Mesmo porque demonstra respeito e reconhecimento pelo trabalho. Mas, não temos interesse me deixar o MDB”, explicou Faiad.

O convite à Gisela havia sido feito há uma semana pelo presidente estadual do MDB, deputado federal Carlos Bezerra, que há muito tempo não cruza os bigodes com os correligionários convidados pelo PROS. O mesmo Bezerra que colocou a deputada estadual Janaína Riva na presidência do diretório municipal do partido, sem ouvir as lideranças municipais, no lugar de Faid, legitimamente escolhido para a função.

Gisela declinou do convite por razões políticas. Nas últimas eleições municipais, a advogada disputou a prefeitura de Cuiabá contra Emanuel Pinheiro e Abílio Junior (PSC). Terminou o primeiro turno em terceiro lugar e no segundo apoiou Abilio contra o prefeito que foi reeleito.

“Pesa na decisão o convite ter vindo do líder do partido, mas vou aguardar e ver quem fica e quem sai do MDB. Não seria adequado ir para o partido do prefeito que acabei de competir no pleito municipal”, disse Gisela.

“Não há nenhum problema dela (Gisela) vir para o MDB, mas vai ter que se enquadrar. Agora, se depender do Emanuel sair do MDB para ela vir, a Gisela não entrará porque ele não sai”, frisou Faiad.

Continue lendo

Política Nacional

Doria detalha restrições da nova fase vermelha; voltas às aulas será adiada

Publicados

em

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) detalha nesta sexta-feira, 22, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, a nova reclassificação das cidades de São Paulo no Plano São Paulo, de combate ao coronavírus, com a regressão dos municípios para as fases laranja e vermelha, além das novas regras que vão manter apenas os serviços essenciais abertos aos finais de semana. As novas restrições passarão a valer a partir de segunda-feira, dia 25.
A nova classificação vai durar ao menos até o dia 8 de fevereiro. Das 20h às 6h durante as semanas e ao menos nos próximos dois finais de semana, todo o Estado ficará na fase vermelha. Diante do recrudescimento da pandemia, a volta à aulas no Estado, que estava prevista para fevereiro, foi adiada, e não será mais cobrada dos alunos a presença nas salas de aula.
As cidades das regiões de Araraquara, Baixada Santista, Campinas, São João da Boa Vista e a Grande São Paulo, que estavam na fase amarela do plano de restrições, foram para a fase laranja, em que os horários e atividades são mais restritivos. Já os municípios das regiões de Barretos, Bauru, Franca, Presidente Prudente, Sorocaba e Taubaté foram para a fase vermelha, em que apenas o comércio essencial pode funcionar sem restrições. As demais regiões se mantém na fase laranja.
O aumento de casos e de internações de pacientes com covid-19 fez com que a ocupação de leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) é o principal motivo da regressão na quarentena. O índice, no Estado, está em 71,1%. O novo fechamento do comércio é uma tentativa de aumentar o distanciamento social e frear a propagação do coronavírus e seus variantes. São Paulo contabiliza 51.192 óbitos e 1.679.759 casos da doença.
Protesto
Um protesto com cerca de 50 donos e funcionários de bares e restaurantes, segundo a Polícia Militar, que são contrários às novas restrições, ocorreu na Avenida Morumbi, na zona sul, na frente do palácio, na manhã desta sexta. Uma das reivindicações era que as novas regras tenham início apenas na semana que vem, uma vez que os estoques para este fim de semana e feriado de aniversário de São Paulo, no dia 25, já estão comprados. Doria reforçou, na coletiva, de que as medidas só terão início na segunda-feira.
Doria comentou a reação dos comerciantes citando o caso do Amazonas, que chegou a anunciar o fechamento do comércio para a contenção da doença. Segundo o governador, a atual crise no Estado, que exauriu material médico vital para manter doentes vivos, “começou quando setores da economia, restaurantes, bares e mercadinhos pressionaram o governo”. O governador afirmou que “infelizmente, eles (os manifestantes) venceram, as autoridades cederam”. “Qual foi o resultado disso? Um aumento intenso de pessoas infectadas”, complementou.
“São Paulo não vai ceder, São Paulo vai proteger. Aqui, temos compaixão, temos compreensão, mas a razão está na ciência” afirmou o governador, ao dizer que esse pacote de restrições será mantido.
*FONTE:Correio Braziliense

Continue lendo

Política Nacional

Rosa Weber mantém eleição presencial para presidente da Câmara

Publicados

em

A vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber, negou um pedido do PDT para que a eleição para presidente da Câmara ocorresse de maneira remota. Com a decisão, os deputados que quiserem participar do pleito terão de comparecer pessoalmente ao Congresso no dia da eleição, marcada para 2 de fevereiro.
O partido requereu que fosse realizada votação por meio de um sistema híbrido, em que os votos seriam computados tanto de forma presencial quanto à distância. A escolha de como registrar o voto seria de cada deputado. No entanto, o despacho manteve decisão tomada no dia 18 pela Mesa Diretora da Câmara em favor do voto exclusivamente presencial.
Na ação, o presidente do PDT, Carlos Lupi e o deputado federal Mário Heringer (MG), alegaram que a medida seria necessária em razão da pandemia de coronavírus, que “atinge níveis alarmantes no Brasil e em todos os outros países”.
A sigla afirma que quase 3 mil pessoas circulariam na Câmara no dia da eleição, o que criaria risco aos parlamentares e demais trabalhadores. “Há uma contradição crassa na deliberação corporificada no ato ora impetrado, haja vista que durante toda a pandemia da Covid-19 a Câmara dos Deputados atuou na modalidade remota, e agora, no limiar da segunda onda da pandemia do novo coronavírus, com o aumento exponencial de número de casos e mortes, intenta-se pôr em risco a vida de 513 (quinhentos e treze) deputados, funcionários da Casa e assessores”, dizia o pedido levado ao STF pelo PDT.
*FONTE: Diário de Pernambuco

Continue lendo

Política

Polícia

GERAL

Mais Lidas da Semana